quinta-feira, 12 de abril de 2012

Exclusivo: Provedor do Hospital de Cataguases, José Eduardo fala sobre a apreensão da Vigilância Sanitaria. Assista ao Vídeo.




Em entrevista para o site Cataguases Gospel, nesta quarta-feira (11) a tarde, o provedor do hospital, José Eduardo Machado, disse ao site Cataguases Gospel, que a fazenda da fumaça que foi doada ao hospital pelo fundador do mesmo, desde 1935 fornece leite, carne bovina, arroz e feijão para o hospital e que a Vigilância Sanitária já havia pedido para que o mesmo se adequasse as normas da ANVISA e que o hospital já estava providenciando essa adequação, pois estava abatendo os animais no matadouro de Santana mas que por lapso não foi pego a declaração e o alvará do Matadouro de Santana de Cataguases e que infelizmente a TV noticiou que os alimentos estavam estragados o que não é verdade.

Sobre o material de limpeza que veio com a data errada, ele explicou que o rapaz que faz o envasamento do produto sempre enchia em um dia a tarde e colocava a etiqueta como se fosse no outro dia que é o dia que estaria disponível no mercado e por coincidência havia enviado naquele dia para o hospital com a data errada mas que a quantidade de produto era o suficiente apenas para 48 horas.

Em relação ao laboratório, o provedor disse que não teve nada a ser verificado em relação a remédios e que apenas não tinha conseguido comprar uma tala ortopédica fora de Cataguases e foi feita a compra na cidade com nota fiscal mas que não sabia que esta tala também deveria ter o carimbo da ANVISA, “Nossa farmácia está impecável, o hospital não tem interesse em nenhum momento de fraudar a lei, aqui tem a maior lisura da nossa administração mas são exigências terríveis da ANVISA”.

Sobre o leite, ele afirmou que é impossível continuar atendendo a todos os pacientes, que deverão ser atendidos apenas os que tiverem necessidade porque o leite que vinha da fazenda, saia a R$ 0,70 para o hospital e como a entidade que sempre passou por dificuldades financeiras vai comprar leite a R$ 2,00, perguntou.

Quando perguntado se acredita que houve ou não motivação política por trás dessa denuncia, José Eduardo disse que não acredita nem na motivação política e nem em denuncia anônima, para ele a fiscalização partiu mesmo da Vigilância Sanitária.

Por fim, José Eduardo finaliza dizendo que não foi interditado nenhum setor do hospital e que em relação ao lixo hospitalar tinha apenas uma luva que antes na legislação antiga poderia ser descartada da maneira que foi e que na atual agora não pode mas que o hospital vai se adequar as normas exigidas porém a população pode perder um pouco pois em relação ao leite por exemplo, o hospital provavelmente não poderá fornecer leite para todos que a forma que era feito antes era com a intenção de ajudar.
Entrevista: Jornalista Rubineide Dantas


Leia também:
SUPERVISORA DO HOSPITAL DE CATAGUASES FALA SOBRE O QUE ACONTECEU E PEDE APOIO DA POPULAÇÃO

Assista ao vídeo da entrevista abaixo:

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

DEIXE SEU COMENTÁRIO!: É muito importante para nós sabermos sua opinião sobre o que acabou de ler, por isso, deixe o seu comentário sobre a matéria acima que será um prazer para nós exibi-lo aqui. Lembramos apenas que VOCÊ é o ÚNICO responsável por seu comentário e que não são permitidos comentários que contenham: Conteúdo ofensivo, difamatório ou palavras de baixo calão.

O conteúdo deste site é de divulgação livre para fins não comerciais. Obriga-se o divulgador a oferecer junto ao conteúdo usado, os links para este site e os devidos créditos.

Visualizações de página a partir de 01/2012